Espectador, Coadjuvante ou Protagonista

No dia a dia da nossa consultoria, conhecemos vários perfis de profissionais, como é de se esperar. Assertivos, servidores, líderes, seguidores, especialistas, generalistas, inovadores, conservadores e por aí vai.

Normalmente, nos primeiros 10 minutos de conversa, seja em processo seletivo, coaching ou assessment, já é possível entender se aquele profissional diante de você assume o papel de espectador, coadjuvante ou protagonista da própria carreira.

E, consequentemente, essa tomada de posição determina o progresso profissional do indivíduo.

O espectador atribui seu caminho profissional às circunstâncias ou às empresas onde trabalhou, principalmente se o caminho trilhado estiver mais para fracasso que para sucesso. Ao ser perguntado sobre a sua trajetória, inicia-se o relato dos “acontecimentos” e não das “escolhas”.

Ao escolher ficar refém dos “acontecimentos”, o profissional abre mão de determinar o seu destino para tornar-se alguém da plateia, assumindo um papel totalmente reativo. E, naturalmente, quando as coisas não saem como ele deseja, inicia-se o ciclo das lamúrias, o famoso “coitado de mim”. Nada de assumir responsabilidades.

Já o coadjuvante gosta de pensar que está no leme quando, na realidade, se coloca como “parceiro recebedor” das empresas na condução da própria carreira. Como exemplo, é aquele que, perguntado porque não estudou inglês, responde que a empresa não o “ajuda a pagar o curso”.  Se a pergunta for sobre a tão sonhada promoção, responde que o chefe “não gosta dele” ou “não sabe ser político”. Nesse caso, o ciclo que se inicia é o da raiva e as reclamações giram em torno do “nunca ninguém me reconhece, por mais que faça”. Frustrado, afunda cada vez mais.

O protagonista assume a direção e o planejamento de sua carreira, nem que seja para dar cabeçada. Comete erros naturalmente, porém levanta, sacode a poeira e retoma a caminhada. Ele determina para onde vai, como vai e a que ritmo. Entende as circunstâncias e ativamente procura fazer com que elas o favoreçam. Recusa-se a aceitar passivamente as adversidades, enfrentando-as e resolvendo na medida em que abre a sua “caixinha de ferramentas” e as utiliza com sucesso. Aceita riscos e lida com eles com serenidade, pois sabe que a postura ativa é vencedora.

E você? Que papel escolheu desempenhar na sua carreira?

Celia Spangher

Todos os direitos reservados. Reprodução permitida desde que com os devidos créditos e o link correspondente. @2017

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: